Entrevista com Tommie Kelly – #throwbacktextos tbt

Quando os Quarenta Servidores ganharam forma – como Grimório e como Baralho, através de uma campanha da Penumbra Livros – Tommie Kelly cedeu uma entrevista bastante interessante, e falou um pouco mais sobre suas visões em magia e no processo de criação dos Quarenta. Essa entrevista, que estava disponível somente no Grimório, agora também está em nosso blog! Leia, na íntegra, essa fabulosa entrevista com o autor e criador dos Quarenta Servidores:

O que é magia na sua opinião?

Tommie Kelly: O que é magia é a pergunta mais difícil de todas para responder, porque eu não sei. Tenho ideia, como os outros, do que poderia ser, mas fundamentalmente não sabemos o que é, então tudo vai ser apenas uma opinião ou teoria. Você pode pensar de várias formas. Digamos… como a ideia do espírito. Como animismo, em que tudo tem uma forma de vida. Todas as coisas estão vivas. Outras coisas são pessoas também. Coisas não humanas, eventualmente. Rios são pessoas também, pessoas não-humanas e tudo isso. Você pode chamar os espíritos ou essas energias para fazer mágicka para você. Você tem muito disso na magia goética. Você sabe, os antigos grimórios. A goétia, as chaves de Salomão, ou esses tipos de livros. Você pode chamá-los de espíritos, você pode fazer pactos com demônios, então você está pedindo a agentes exteriores para afetarem o mundo, mudarem as coisas para você. Aleister Crowley pensa algo sobre você impor sua Vontade ao mundo, fazer as coisas acontecerem porque você quer. Você… desejar é uma palavra forte, mas, você as empurra, você as leva a isso. Você também tem pessoas que acreditam no modelo de energia, um sistema de energia mágicka, como chi, ou energia vital, prana ou vril, ou qualquer uma dessas coisas. O magista constrói esses poderes, essas energias, como a Kundalini, por exemplo, e pode mudar com a força desse poder. Ele pode curar com reiki, através de energia e similiares. E você também tem o modelo psicológico de magia, que é se você pensa que pode, você pode. Quanto mais o que você pensa sobre o que é o que você experiencia. Se você quer comprar um carro, você começa a ver o carro em todo lugar, ou então quando você ouve uma palavra pela primeira vez, e depois a ouve novamente algumas vezes logo em seguida. Você pensa: “eu nunca ouvi aquela palavra antes”, mas então você ouve as pessoas falando a palavra. Quanto mais você se foca em algo, mais você vê aquilo. Não é necessariamente que aquelas coisas já não estivessem sempre lá. Elas provavelmente já estavam lá. É só que agora você tem foco naquilo, um intento naquilo, você começa a ver isso. É como quando você abre uma gaveta e procura uma faca em particular e você não consegue encontrá-la de jeito nenhum, porque a sua mente apagou aquilo, e alguém aponta a faca para você. Estava ali, bem na sua frente. Então a magia pode ser o dedo que aponta para você e diz: “ali está, bem na sua frente”, no modelo psicológico. Acho que há muito a dizer sobre isso, sobre foco e intento. Pode trazer resultados de uma ótima forma. E é algo que passa despercebido porque não é assustador ou sobrenatural ou woo woo o suficiente, mas colocar intento e foco em algo funciona de uma forma ótima. Todos nós temos um viés cognitivo, todos nós sentimos o mundo através do nosso ponto de vista, pelo nosso próprio sistema de crença. O que nós acreditamos sobre o mundo é o que normalmente vemos. O que eu amo sobre Magia do Caos é que ao invés dessas crenças serem impostas a você pela sociedade, seus pais, sua família, seus amigos ou seja lá o que for, você deliberadamente escolhe seu viés cognitivo ou como olha para o mundo. Se você vai ter isso de qualquer forma, que você tenha interesse. Você quer que isso complete você, faça você se sentir feliz. Então o modelo psicológico da magia é muito poderoso, mesmo que não seja woo woo, mas não dá para passar despercebido. A última forma como você pode ver a magia é como criatividade, como consciência. É a consciência do todo, o que quer que seja consciência. É como molda o mundo ao redor, é como isso se expande, como evolui. É pegar uma ideia e fazê-la real no mundo . Todas as coisas começaram a partir de uma ideia. Tudo. Magia é a realização de uma ideia, ou de um pensamento, algo que acontece na minha cabeça ou onde exatamente a consciência é armazenada. Talvez sejamos receptores, talvez não. Talvez esteja na cabeça, em qualquer lugar em que a consciência começa, onde quer que uma ideia esteja e saia de lá para o mundo. ISSO É MAGIA! Um ato intencional para fazer algo novo, para fazer algo acontecer. O mundo começou como uma ideia. Ou não sabemos o que é. Um ou outro.

Quando e por que você começou a praticar Magia do Caos?

TK: Eu provavelmente comecei a praticar Magia do Caos muito antes de saber o que era. Eu sempre me interessei por essas ideias, eu só não sabia o nome. Eu não sabia que Magia do Caos existia. Mas depois que eu vi a palestra (Desinfo) do Grant Morrison, você sabe… O vídeo do YouTube, então eu peguei um nome para aquilo, aprendi sobre sigilos e todas as diferentes coisas. Depois do vídeo do Grant Morrison, eu realmente entrei na Magia do Caos porque agora eu sabia o que era. Antes daquilo, eu sequer sabia que existia, mas eu tenho interesse nisso desde que me entendo por gente, desde o começo da adolescência. Quando eu era adolescente, eu curtia Stuart Wilde, teosofia, Alice Bailey. Eu não chamaria de Magia do Caos, mas muito do que ele diz e ensina é Magia do Caos, então eu estou ciente das ideias há muito tempo. Então soube o que era Magia do Caos faz talvez 5 ou 6 anos. Mas sabe, rótulos são interessantes, são meio limitantes. Mesmo algo como Magia do Caos, que supostamente é sem limites, mas o momento em que você diz que é um caote, significa que você não é outra coisa. Eu não gosto dessa ideia. Eu posso ser o que eu quiser. Então, na verdade, eu nunca diria que sou um caote, apesar de ser fácil explicar dessa forma, mas eu uso Magia do Caos, eu tenho interesse em Magia do Caos, mas estou aberto a todas as coisas diferentes, só não quero me limitar a um tipo de Magia do Caos ou um sistema como Magia do Caos.

Você poderia explicar para os iniciantes o que é um servidor?

TK: O que vocês chamam de servos nós chamamos de Servidores. Então os Quarenta Servos são Servidores. O que um servidor é: uma forma-pensamento ou uma ideia à qual se deu poder, à qual se deu alguma forma de vida para que ela saia e faça algo por sua própria energia. Então cada um dos Quarenta Servidores é um tipo de energia ou a representação de um arquétipo. Não necessariamente como uma energia espiritual, mas algum tipo de energia, de sentimento, ou uma ideia. Como a ideia de O Pai ou a ideia de A Carnal. A Carnal é muito sexual, muito aberta. Luxúria, beleza e se sentir sensual: essa ideia. O Servidor recebe uma tarefa específica para desempenhar. Às vezes as pessoas criam servidores para proteção, ou para dinheiro, sabe, para ganhar mais dinheiro, ou então para felicidade, ou sorte em jogos de aposta, então eles geralmente recebem uma tarefa específica. Então cada um dos Quarenta Servidores tem uma tarefa única e individual. Algumas são similares e trabalham de formas diferentes, mas são tarefas diferentes. Então eles são a representação de arquétipos, ou ideias de formas-pensamento ou certos temas que podem ser usados como divinação ou para dar orientação e insight sobre seus problemas. E a forma mágicka para também evocar e infundir essas energias na sua vida. Todos nós sabemos como é sentir A Carnal. Nós já tivemos momentos em que nos sentimos sexy, nos sentimos lascivos, sentimos este tipo de energia. Então podemos usar A Carnal para aumentar esse tipo de energia nas nossas vidas de várias formas. Então depende do que você pensa sobre o que é magia. É psicológica? É baseada no espírito? É baseada na ideia? É baseada em energia? Daí você pode usar Servidores, ideias de servidores ou os próprios Quarenta Servidores da forma que quiser para trazer essas energias, ideias, formas-pensamento, arquétipos para sua vida.

Qual é a diferença entre um sigilo e um Servidor?

TK: Essa é uma boa pergunta, porque há uma sobreposição entre servidores, sigilos e algo como talismã. Eu suponho que uma maneira de explicar a diferença entre um servidor e um sigilo é que um servidor tem uma personalidade, tem sua própria individualidade. O sigilo é como uma linha de código na matriz. É somente algo que faz outra coisa acontecer. Geralmente uma vez, enquanto um servidor pode ser usado continuamente. Há mais similaridade entre servidor e talismã. Suponha que você faça um servidor para sorte em jogos de aposta, para aumentar sua sorte em jogos de aposta. Como isso se diferencia de um talismã que poderia ser usado para a mesma coisa? Um talismã para sorte em jogos de aposta, então, é similar. O Servidor tem uma vida própria, tem sua própria energia, é algo separado, começa com o magista, mas então se transforma em algo separado do magista, tem sua própria personalidade, pode ter sua própria autonomia, sua própria vida. O perigo com o servidores, é claro, se tiverem muita autonomia eles podem… assim dizem, eu nunca vi, eles podem criar independência. As pessoas se preocupam com isso, mas eu nunca vi, então eu não sei, mas pessoas falam sobre isso. Então eu diria que a diferença entre o sigilo e um servidor é que você pode ver o sigilo como uma linha de código, como algo que é usado para outra coisa acontecer, e o servidor tem uma personalidade própria. O servidor é um trabalhador, alguém que trabalha para você. O sigilo é como uma ação causando um efeito no mundo. E um talismã… São todos similares, todos fluem em conjunto no final, eles são todos ideias, pensamentos. Então sigilos podem se tornar servidores, sigilos podem se tornar talismãs, talismãs podem se tornar servidores. É claro que a diferença entre sigilos, servidores e talismãs é que muitas vezes servidores estão vinculados a um item físico. Você tem muitos servidores que são estátuas. Talismãs são pedras, jóias, fantoches, coisas assim. Sigilos geralmente são apenas sigilos, desenhos nas coisas. Mas então você tem os hipersigilos, que são como os quadrinhos Os Invisíveis, livros, blogs. Eles são todos partes da mesma ideia, da mesma coisa. Eles têm diferenças, e eu consigo vê-las, mas definitivamente há uma sobreposição entre eles.

Como foi o processo de criação dos Quarenta Servidores?

TK: A criação dos Quarenta Servidores, por um lado, durou cerca de 4 ou 5 meses, mas por outro lado durou anos e anos, porque algumas das artes que eu usei para a criação dos Servidores vêm de coisas que eu já tinha feito anos atrás. A Carnal veio de um quadrinho, For Sale. E isso em 2011, eu acho. Poderia ser 2010. E de outras coisas. Ideias de THEM (quadrinhos). Há uma lista que eu coloquei no grupo do Facebook. E toda arte, mesmo as que eu peguei de outra coisa, foram trabalhadas novamente, algumas coisas extras foram adicionadas. A imagem da Carnal em For Sale não é a que terminou na Carnal. Eu adicionei aspectos. E a razão pela qual fiz isso é que queria colocar um pouco de tudo que eu já fiz até agora nos Quarenta Servidores. Eu queria ter uma parte de toda a minha vida e de toda criação nisso. Eu queria que TUDO que eu aprendi, tudo que eu fiz, fizesse parte deste grande hipersigilo. E os Quarenta Servidores são um hipersigilo, de várias maneiras. Então aí está, servidores também podem ser sigilos… Cada Servidor tem seu sigilo. Quando eu decidi começar a fazer isso, eu estava fazendo outro baralho para um amigo meu. Eu gostei de fazê-lo. Eu já tinha feito uma pesquisa de impressão, formato e tudo isso, porque parecia uma oportunidade real de fazer o meu próprio baralho. Eu fiz mais para mim mesmo. Eu não sabia que tantas pessoas ficariam interessadas. Eu pensei que dez, quinze pessoas ficariam interessadas, e depois de duas ou três semanas todo mundo teria esquecido. Então a força dirigente por trás da criação foi algo que eu queria usar para mim mesmo, que eu acharia útil. Aconteceu que outras pessoas gostaram e também acharam útil. O processo de criação, de fato, dos Quarenta Servidores foi na noite de Halloween de 2016. Foi uma cerimômia, um ritual que eu fiz, e envolveu colocar todas as imagens dos Servidores, ungi-los e soprar vida neles para criá-los, libertá-los para o mundo, para eles fazerem o que foi dito para eles fazerem, dar a cada um deles sua tarefa. Então eles foram ungidos ou receberam os 5 elementos. Então essas imagens originais foram colocadas numa caixa preta especial. Está bem ali no altar. Então cerca de uma semana depois disso, o baralho ficou disponível para venda.

Muitos católicos me perguntam se está tudo bem usar os Servidores. Por outro lado, alguns caotes criticam seu trabalho porque acham que o público em geral trata os Servidores como santos. O que pensa sobre essas discussões? As pessoas estão sendo muito boas com os Servidores?

TK: Eu acho que tudo depende de quão rigoroso você é como católico, pois tecnicamente TODA MÁGICKA é banida pela igreja católica. Então, se você é católico, então não, não é bom usar os servidores. Por exemplo: 

Levítico 19:31 – “Não vos virareis para os adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles. Eu sou o Senhor vosso Deus. 

Êxodo 22:18 – “A feiticeira não deixarás viver.” 

 Quanto ao que diz respeito às pessoas que tratam os Servidores como Santos – esse é um problema só delas 😀 Eu digo na literatura, no blog e no Grimório que não é para fazer isso. Então, qualquer Caote que critica meu trabalho por causa disso deve lembrar que isso não faz parte do sistema – é exatamente o que as outras pessoas têm forçado nele. Não tem nada a ver comigo ou com os servidores.  As pessoas estão sendo muito boas com os servidores? Bem, talvez, mas apenas no sentido de que você deve manter o poder dinâmico correto – você é o chefe e eles são os funcionários. Isso não significa que você deve ser um chefe terrível ou severo, ou tratar os Servidores realmente mal – significa apenas que você não precisa implorar que façam coisas por você. É o trabalho e função singular deles trabalhar para o mago. 

Há também aqueles que pensam que estão sendo punidos pelos Servidores. Se alguém se esquecer de alimentá-los ou de agradecer a eles, a pessoa será punida? Ansiedade, por exemplo, pode ser visto algum tipo de sintoma?

TK: NÃO, NÃO, NÃO! Apenas não, e as pessoas realmente precisam parar de pensar dessa maneira. Eu vejo isso principalmente no grupo brasileiro de Facebook. Isso não acontece em outro lugar, e eu realmente não tenho ideia de onde isso veio. Eu suponho que muitas pessoas que usam os Servidores simplesmente não leram nenhuma literatura ou instruções, pois as pessoas têm ideias realmente estranhas sobre “pagamento” e “serem punidas”. Então, sendo o mais claro possível: Os Servidores NUNCA punirão você. Eles se alimentam de atenção e uso, para que você nem tenha que alimentá-los. Você faz oferendas como um agradecimento, não como um pagamento. A oferenda que eu sugiro são velas de luz de chá, e isso é mais do que suficiente. Se você quer fazer algo mais, faça um agradecimento público. Mas é isso – você não precisa fazer mais nada, você não precisa pagar nada mais e você certamente não será de nenhuma maneira punido se não fizer isso. O único tipo de pagamento vem com O Reparador, e novamente, as pessoas realmente o entenderam errado. O Reparador representa toda a ideia de “fazer o que for preciso para resolver o problema” – então o pagamento é fazer o que for preciso para resolver o problema. Isso só será diretamente relacionado ao objetivo, e NUNCA, NUNCA, NUNCA algo não relacionado. O “pagamento” é fazer o que você precisa para obter o que deseja. É isso aí. Não é uma espécie de sacrifício ou qualquer outra coisa louca que vejo pessoas falando no grupo do Facebook.

Alguém poderia atacar ou modificar a egrégora para machucar ou explorar alguém (como um vampiro)?

TK: Se eles criaram um servidor e o fizeram para que ele permitisse a modificação – então, sim, acho que sim. Mas, Os Quarenta Servidores? Não, os Servidores não podem mudar em sua natureza. Sua função é apenas fazer o que foram criados para fazer. Ninguém pode mudá-los, nem mesmo eu. Eles só podem aumentar o poder, mas não alterar sua função ou natureza.

As formas de energia ou pensamento de um grupo podem mudar o propósito de um Servidor?

TK: A mesma resposta que a última, principalmente em relação aos Quarenta Servidores, mas pode ser diferente se um grupo criou um servidor – isso seria, então, uma egrégora (um servidor feito por um grupo em vez de um indivíduo), e é bastante possível que o grupo possa mudar a natureza da egrégora se assim escolherem e a criarem desde o princípio de forma a permitir que ela seja alterada. Tudo depende das regras que foram definidas quando o servidor foi criado. Mas definitivamente NÃO para Os Quarenta Servidores. Não foi assim que eles foram criados. Isso não faz parte de suas regras.

Os Servidores são perigosos de alguma forma?

TK: Toda magia é perigosa.

Quais são as diferenças entre os Quatro Diabos e os Quarenta Servidores em geral?

TK: Eles são semelhantes porque são servidores, mas são completamente separados. Eles não estão conectados. Os Quatro Diabos não fazem parte dos Quarenta Servidores. Mas podem ser usados ​​de maneiras semelhantes.

 

Você pode adquirir o Baralho e o Grimório dos Quarentas Servidores em nossa nova campanha do Catarse!

   Cripta da Penumbra no Catarse

Deixe uma resposta