O Sabbat das Bruxas - Realidade ou Alucinação?

Sabbat das Bruxas – Realidade ou Alucinação?

Um dos elementos básicos do que se considera bruxaria é o Sabbat das Bruxas. As descrições desse evento variam bastante, mas normalmente envolvem uma reunião de bruxas, um banquete, o diabo, sexo, noite, luar, entre outras coisas.

Hoje em dia, há várias tradições que de fato celebram os dias mais importantes da Roda do Ano em cerimônias. Não há dúvidas de que essas cerimônias acontecem de verdade – há evidências concretas disso. Tem até gente que tira foto! A dúvida se abate sobre as experiências mais sutis.

Muitos dos elementos frequentemente relatados nesse segundo caso parecem exagerados demais para serem verdadeiros. É difícil, por exemplo, acreditar que alguém se transforma em um animal e sai voando pela noite. Mas será que não há uma ponta de verdade em tudo isso?

Vamos começar pelo começo – se há um encontro entre pessoas, como ele é organizado?

A Organização do Sabbat

Normalmente pensamos no Sabbat como uma reunião de bruxas, não como uma experiência individual. E reunião implica organização. Como reunir várias pessoas no mesmo horário e local sem ao menos combinar os detalhes entre os participantes?

Origens Históricas

Analisando os relatos do passado – anotações e relatos de sacerdotes e inquisidores, confissões de bruxas, etc. – não há nenhum indício de organização. Não, ao menos, até o século XVI. Nesse momento, aparentemente, os inquisidores “inventaram” o conceito do Sabbat como uma reunião organizada.

Mas tudo indica que esse não era o padrão até o momento. Havia relatos de “bruxas” solitárias, ou acompanhadas de seus parceiros e animais familiares. Mas não de festas, banquetes e orgias. Em A Arte dos Indomados, Nicholaj de Mattos Frisvold apresenta uma compilação e uma linha do tempo desses relatos por toda a Europa. E realmente, não há evidência alguma de organização entre as “bruxas”.

Secreto, Comunal e Periódico

Austin Osman Spare também teve suas experiências com o Sabbat, do início ao fim de sua carreira mágica. Foi iniciado nos mistérios do oculto por uma velha bruxa, a Sra. Paterson, e nunca parou de experimentar com a bruxaria tradicional. No entanto, Spare parece não concordar com a falta de organização que Frisvold sugere. Segundo ele, o Sabbat é sempre “secreto, comunal e periódico”. Elaborando sobre o tema, ele dá a entender que um mínimo de organização se faz necessário:

Antes da cerimônia, cada celebrante tem seus quinhões definidos, embora normalmente tudo termine em promiscuidade e caos. (…) Há um local de encontro e um ritual elaborado, que é um amplo hipnótico para sobrepor todas as inibições.

 

Austin Osman Spare, citado em O Renascer da Magia, de Kenneth Grant

Será que as bruxas de antes do século XVI estavam apenas mantendo um segredo bem guardado? Ou talvez as operações de Spare não fossem uma continuação das práticas mais antigas, e sim uma variação seguida por sua iniciadora, a Sra. Paterson?

O Sabbat é Real?

Talvez não seja possível descobrir mais sobre a organização do Sabbat em séculos passados, mas vale a pena considerar um outro aspecto. O Sabbat é “real” ou “imaginário”? As duas palavras devem vir com um milhão de aspas, pois a realidade consensual é altamente debatível. Mas a questão é se os participantes desta celebração de fato saem de suas casas e se encontram em um lugar que existe no mapa; ou se tudo ocorre no plano astral, no reino dos sonhos, ou outra abstração similar.

Experimentos Oníricos

Peter J. Carroll sugere que uma forma de estabelecer o Sabbat é através de experimentos organizados com sonhos:

O chamado sabbat astral é o principal tipo de experimento mágico realizado no nível do sonho. Os participantes combinam sonhar estarem presentes nas companhias uns dos outros em algum lugar real familiar a todos.

 

Peter J. Carroll, Liber Null e Psiconauta – Experimentos Mágicos em Grupo

Deve-se, porém, observar um detalhe. Não é só porque a forma de chegar ao local do Sabbat é através de sonhos que o estar nesse local deixa de ser real. Perceba que o local a ser escolhido é real e conhecido, e não um ambiente fantasioso. Isso tem razão de ser.

O Voo das Bruxas

Nicholaj Frisvold recorda que essas viagens costumam decorrer de voos noturnos, os quais ocorrem frequentemente sob formas animais. E aponta, ainda, que uma das formas de alçar esse voo é usando alucinógenos. Uma das formas de administrar essas substâncias é aplicando-as com bastões de madeira nas mucosas genitais. E é daí que vem a lenda das bruxas voando em suas vassouras.

Mas a experiência é real?

Fica claro, pelas exposições de Carroll e Frisvold, que o processo de chegar ao Sabbat não é estritamente físico. Usa-se de sonhos, substâncias psicoativas, transes diversos, estados alterados de consciência, etc. Não se pega o ônibus para o Sabbat. Mas não quer dizer que a experiência seja menos real.

Com a palavra, Austin Osman Spare:

Ninguém é capaz de dizer precisamente se determinadas coisas ocorrem ou não, embora cada indivíduo possa ter experiências muito diferentes, e igualmente vívidas. (…) Minha própria experiência de diversos Sabbats aponta que há uma exteriorização consumada, e que todas as memórias subsequentes são da realidade.

 

Austin Osman Spare, citado em O Renascer da Magia, de Kenneth Grant

O fato de não haver um deslocamento corporal até o Sabbat não significa que ele seja menos real. Prova disso é o fato de que pessoas distintas podem comparecer à mesma celebração e ter as mesmas memórias, sem haverem combinado nada.

Talvez a melhor coisa seja ter uma experiência em um Sabbat, só então emitir uma opinião. A Arte dos Indomados, de Nicholaj de Mattos Frisvold, apresenta um procedimento detalhado para aqueles que desejarem embarcar nessa viagem, além de trazer uma perspectiva histórica completa desse fenômeno. Liber Null e Psiconauta, de Peter J. Carroll, apresenta, além do chamado Sabbat Astral, outras experiências oníricas. O Renascer da Magia, de Kenneth Grant, resume de forma magistral o complexo sistema e as doutrinas de Austin Osman Spare, de forma palatável e acessível ao leitor. Os três livros estão disponíveis, em português, na loja da Penumbra Livros.

O Sabbat das Bruxas - Realidade ou Alucinação?

Save

Deixe uma resposta